O que era Perfeito e Agradável tornou-se Repugnante

Há um empreendimento no bairro onde moro que é muito bonito. Fica bem na esquina de uma das ruas principais; e a fachada é toda em vidro, contém dois andares, é um belo imóvel. Encontra-se para locação, faz algum tempo. Há no quintal deste imóvel um cachorro; acredito que esteja ali, como protetor daquele local. Cada dia que passa aquele animal faz suas necessidades naquele espaço, e conforme os dias, semanas e meses vão passando, a sujeira vai tomando conta do “pedaço” e aquele cão mal consegue se movimentar, seu espaço vai se reduzindo a cada dia e ele está ficando praticamente encarcerado no meio daqueles estrumes.

A esta altura o imóvel que antes chamava atenção por sua beleza, agora é destacado pela sujeira e pela podridão.

Isso nos leva a refletir sobre o pecado, que age da mesma maneira em nossas vidas. Nesta analogia somos o empreendimento, que é bonito, bem visado, com todos os requisitos para ser locado e habitado por um ser maravilhoso, o Espírito Santo.

Mas acabamos por deixar o pecado habitar ali, ele vai sujando este local, permitindo que essa sujeira vá se alastrando até um ponto em que ficamos aprisionados.

Aquele edifício, que antes recebia visitas, e era admirado por todos que passavam por ali, agora naquele estado, com toda aquela sujeira não recebe mais ninguém. Assim é o pecado, nos separa de Deus, das pessoas que amamos, nos isola, nos afunda a solidão, com um enorme vazio no peito. Temos em nós a falsa impressão de que: a vida é nossa, o corpo é nosso, o espaço é nosso e achamos que temos o direito de colocar quem quisermos para morar em nós, mas, a verdade é que dando lugar ao pecado, acabamos nos tornando refém dele, aprisionados a ele. 

Outro detalhe, é que, o imóvel mesmo sendo alto e sua beleza podendo ser evidenciada ao olhar para cima, o que chama atenção agora é o que está no chão.

Isto remete a nós quando estamos aprisionados no pecado, em nossa sujeira espiritual, por mais que falamos de Deus, o que vem à tona e o que chama atenção não será o Deus que pregamos, e de quem falamos, e que está no alto, mas sim o pecado que cometemos que está ao nosso redor. As pessoas vão olhar para os nossos erros, nossas falhas. O Deus que pregamos deve ser evidenciado primeiramente em nós, nas nossas vidas, e ao ver os frutos dignos de arrependimento em nós, automaticamente vão olhar para cima, para Deus, e glorificar o Seu nome.

Outra coisa cruel, é que o próprio edifício não pode por seus meios limpar a sujeira que ali foi colocada, ele está refém das consequências de seus atoś de “liberdade”. Não foi ele, e sim, alguém que colocou o cachorro ali. O cachorro fora colocado ali com intuito de guardar aquele lugar. Mas quem o colocou ali não deu a assistência devida, os cuidados adequados. É necessário que alguém entre ali, limpe a bagunça, limpe o terreno, e deixe o imóvel atrativo novamente.

Nós que estávamos espiritualmente mortos em nossos pecados, aprisionados e sem condições nenhuma de voltar a vida por nossos próprios meios, fomos resgatados por aquele que nos ama desde a fundaçăo do mundo. Ele entrou em nossas vidas, limpou nossas sujeiras, sarou o nosso coração corrompido e passou a habitar em nós, nos fez uma nova criatura e a beleza que ele tinha projetado em nós quando nos criou, passou a ser vista novamente. Aquilo que estava sujo, nojento, indesejável, agora tem aparência, é desejado, chama atenção, e novamente estamos prontos para relacionarmos com aqueles que não se aproximavam mais de nós, sabe por quê? Porque somos novas criaturas transformadas e restauradas por Deus, o pecado já näo habita mais em nós, já temos comunhão com Ele e com nosso próximo. E agora é o Espírito Santo que habita em nós.

“Não por causa de alguma atitude justa que pudéssemos ter praticado, mas devido à sua bondade, ele nos salvou por meio do lavar regenerador e renovador do Espírito Santo.” (Tito 3:5)

Ao iniciar um novo ano, que possamos nos aproximar mais Dele, nos reconciliar com Ele, deixando para trás, tudo o que nos separa do seu amor, vivendo para Ele e por meio Dele, mediante a sua infinita graça.