QUEM É ELA?

Foto de Anna Shvets no Pexels

Quem é ela? Que chegou sorrateiramente como quem não quer nada. Quem é ela? Que sem pedir licença foi ocupando espaço. Quem é ela? Que como mal educada entrou sem bater a porta e quando se percebeu lá estava ela no centro das atenções. Quem é ela? Que arrebatou em todos os níveis sociais, rico ou pobre, alto ou baixo, pois não faz distinção de suas vítimas e seja qual for o estado, lá está ela. Mas, quem é ela? Que, como furacão devorador foi levando embora a alegria, e como se não bastasse saqueou a felicidade, e como ladra subtraiu a paz de muita gente. Mas, quem é ela? Que tem apagado a luz do sol e o resplandecer de um novo dia que para muitos, já não haverá. Ela causa medo e esse medo está tão presente que se faz necessário se esconder atrás de um pequeno pano como se fosse um escudo que obrigatoriamente passou a fazer parte do dia a dia da população. 

Há o dia a dia. O dia a dia mudou, tudo por culpa dela. E por causa dela, aprendemos novos hábitos. Hábitos que trancafiam, pois, mesmo estando em liberdade a sensação é estar por trás das grades invisíveis que ela nos impõe, assim nos impede, tirando o direito de ir e vir, que seja ao parque, ou até mesmo ao shopping em um daqueles dias de passeio e esses novos hábitos fazem com que as mãos sejam encharcadas por etílico hidratado em grau 70, numa tentativa de blindá-las, tudo isso para tentar combatê-la, ou quem sabe mantê-la bem longe. Seria isso uma real proteção ou uma utopia? Entretanto, ela fez suscitar valores que pareciam enterrados pelos escombros de tantas ideias que parecem sem fundamento algum que surge de uma sociedade de bases líquidas.

Todavia, é possível afirmar que devido a presença dela, hoje os valores são outros. Agora temos que ficar longe de quem estava perto, e quem se encontrava longe, podemos chegar tão próximo pelos meios digitais que mesmo a quilômetros de distância conversamos com alguém como se estivesse sentada ao nosso lado no coração de nossas casas.     

O que ela fez com a gente? De onde realmente veio? Quando vai nos deixar? São indagações que perturbam e machucam como se fosse ferida que não quer curar. E as respostas para tantas perguntas parecem tão distantes que nem a cúpula mais alta da medicina tem uma resposta certa ou a solução para dar. O certo, é que a queremos longínqua e que tudo volte a ser como era antes, se é que é possível, pois uma vez que as águas passaram por baixo da ponte, jamais voltará a passar.

É, temos aprendido com ela, e apesar da assolação que ela vem causando, a ótica do ser humano passa a enxergar com uma nova perspectiva. As horas com a família aumentaram, tempo para os filhos que outrora tanto se implorava, agora, resulta em abraços e brincadeiras. Aqueles minutinhos que eram tão escassos se tornaram tão valiosos que não queremos desperdiçá-los com aquilo que não agrega nenhum tipo de valor. O trabalho, que tanto era priorizado naquela rotina alucinada do escritório, podemos fazer de casa mesmo, pois não queremos em um devaneio de uma saída, nos depararmos com ela por aí, pois, ela é parceira da morte, e está apenas esperando pegar alguém despercebido para que possa conduzi-lo a uma viagem sem volta. Logo, com a presença dela, é preciso adaptar-se a um novo estilo de vida. Daqui em diante, não há espaço para viver uma vida cheia de amargura, rancor e de intrigas, visto que, aquilo que hoje é, amanhã poderá vir a não ser. A vida é curta demais para se viver sobrecarregado de sentimentos insultuosos.

Por fim, de toda ocasião é possível tirar lições. E daqui para frente, aqueles que escaparam de suas armadilhas passaram a ver a vida mais colorida e trilharam caminhos jamais percorridos em busca de um futuro melhor. É claro que não podemos esquecer, foram muitos os que cruzaram com ela e ficaram pelo caminho e deixaram saudades. Portanto, chegamos à conclusão: é hora de se imunizar com as experiências adquiridas e nos blindar de todas as formas possíveis para vencermos os desafios por ela impostos, e superar as marcas que ela deixou na humanidade. 

Ora, mas quem é ela? A chamam de pandemia! Covid-19!  Essa, ficará na história. Muitos não gostariam de a ter conhecido, pois ela deixou de forma implacável, irresolúveis marcas que a borracha do tempo, jamais poderá apagar.