Deus, Por que me abandonou?

Photo by Ricardo Esquivel from Pexels

O sofrimento é uma resposta a uma causa decorrente na vida de todos, e pode vir de muitos variados aspetos como, a perda de um amigo, ente querido ou alguém próximo, doenças, sofrimento causado por uma obra da natureza como um tornado, enchentes, tempestades que destroem bens materiais que levaram anos para serem conquistados, sofrimento por planos frustrados ou sonhos interrompidos. 

Esta condição que de fato pode acometer a qualquer um, pois todos estão condicionados a estes fatores simplesmente pelo fato de sermos seres humanos, e por assim sermos, estamos sujeitos ao temido sofrimento emocional que tem levado muitos ao desespero extremo, cometendo o último ato de suas vidas contra si mesmo. A condição causada por este sentimento é de abandono e mesmo rodeados de pessoas, amigos e familiares, este sentimento de solidão toma conta e assim pensamos que de fato isso é tudo que resta. 

Entretanto um fato pode mudar completamente este cenário. Quando olhamos para o passado, houve um momento em que um homem, ou não era somente um homem, desceu dos céus nascido em corpo humano (e este é um mistério meu caro leitor), mas o fato é que Jesus veio na qualidade humana para como Deus lutar por seus filhos, e como um homem ser o meio pelo qual a paz poderia novamente ser desejada e alcançada, e em seus últimos momentos antes de através de si mesmo reconciliar os homens, mulheres e crianças e restaurar toda a criação tornando possível sermos chamados filhos de Deus, sim em um breve momento Ele disse: Deus meu, Deus meu! Por que me abandonou? 

Por um momento Jesus sentiu-se sozinho, mas este sentimento que estava sobre ele era um símbolo de como o pecado faz separação entre nós e Deus (Is. 59.2), e como Jesus estava levando o pecado e a iniquidade de todos os homens sobre si (Is. 53.5), Jesus foi “entregue por causa de nossas transgressões” (Rm 4.25). Esta angustiante separação foi como a separação que uma criança desobediente tem sem o carinho e cuidado de seu pai, por um momento.

Mas quando uma frase irrompe o silêncio e a dor da solidão: “Está consumado”, mostra que a restauração estava completa, para as dores haveria alívio, para as doenças haveria uma cura, e para a solidão haveria uma companhia, e aquele breve momento de solidão na cruz, foi para que agora pudéssemos desfrutar, apreciar e deleitar da presença completa e graciosa do Pai amoroso que através da cruz ficou ao nosso alcance. 

No começo do evangelho de Mateus o anjo anuncia o nascimento de Jesus dizendo que ele seria o Emanuel (Deus Conosco), e no último capítulo Jesus encerra dizendo: “Eis que estou com vocês até o final”; mostrando que do início ao fim está conosco. Ele está aí, pronto para lhe ajudar.